Thursday, May 29, 2008




Acercado . Imagens em processo

Monday, May 19, 2008

Acercado

Fazia imenso tempo que não dava notícias nem provas de vida. Vai daqui um aperitivo.








Perseguimos o desejo do nosso próprio estilhaçamento. Esta é a leitura que faço dos poemas Escavação e Dispersão de Sá-Carneiro. Uma luta permanente entre a leveza e o peso de existir; entre a deliberada procura de algo que se perde, que se sabe existir – o resgate do perdido – e a libertação daquilo em que se existe, fractura e ansiedade pelo escape.



Acercado procura ser um momento que joga com a possibilidade de debruço sério e deliberado por algo que existe (acerca de) e o sentimento de asfixia provocado pelo desejo de castração e de libertação que nos habita (acercado). Acercado sublinha aquilo de que se trata a par da condição de cercado, de aprisionado e realça a condição de posse de uma condição – a cerca do. Por isso resistir ao cerco é pulá-lo; libertar-se da posse é fender o rigor sólido dos objectos.

"Pular a cerca" é também (como popularmente se conta) trair alguém com quem se tem uma relação. No contexto dos poemas escolhidos é trair-se a si próprio, trair a relação pacífica que se tem consigo nessa patológica busca pela insustentável instabilidade do nosso ser.

Anterior à relação com alguém está essa relação que temos com os objectos do mundo. Relacionamo-nos com o mundo pelos afectos, pela viciada maneira como nos projectamos nos seus objectos e os transportamos ao nosso âmago. De acordo com esta ideia Simone Weil atenta que ‘ a realidade do mundo realiza-se em nós pelo afecto. É a realidade do eu transporta por nós para as coisas. Não é, de modo algum, a realidade exterior. Esta só é perceptível através da indiferença absoluta. Mesmo que sobre apenas um delicado fio, existe ainda afecto’ . Desse modo, realizar-se no mundo, perceber o mundo, implica uma libertação da fabricação ilusória do afecto. Desautorizar senão um modo desinteressado de se relacionar com as coisas.

Pular a cerca ganha assim um corpo lato, onde o acto de salto acciona o movimento no espaço da conquista pelo contacto real com as coisas, sem a viciosa adição do sentimento, através da metáfora da consumação carnal ‘criminosa’. Pular a cerca transporta-nos a um espaço onde o sujeito se percebe como exterior às coisas; e, abnegando o simpático ‘vento’ do agrado fraterno de suas existências, retrair-se para dele se saber convolar.


Formalmente Acercado é constituído por diferentes elementos que visam construir o que chamo de situação. Pensar situação como momento de drama ou romance que excita interesse é fundamental para introduzir um espírito e aspecto cénico que me apraz e de que tenho feito recorrentemente marca estilística.
A situação Acercado estrutura-se em diferentes momentos formais. Um desenho de cercas de madeira em perspectiva, com uma escala de 4 mt x2.2 mt sobre tela pendurada. Este desenho encontra-se deliberadamente colocado ao centro de uma sala, já que a sua localização é determinante para criar separação espacial entre ‘momentos distintos’.
A separação espacial é imprescindível; na parede que se encontra na parte posterior ao desenho, encontra-se um cata-vento gigante – ou mais provavelmente um desenho de um cata-vento – de onde provém uma corrente de ar (vento) que tenta empurrar o desenho. De forma a sugestionar este movimento, o desenho pendurado ao centro da sala inflecte uma curva como que arremetido para longe (embora esteja tensamente arreigado ao seu próprio lugar/condição e dele não se consiga libertar). A hiperbolização do ‘gesto’ empurrar (recorrendo ao uso de ventoinhas que criam efectivamente um movimento de ar) é importante de forma a materializar mais intensamente a invisível natureza das forças e das conduções.

Trapalhão e frágil, Acercado é um anti-Sísifo.

Thursday, May 15, 2008

Monday, May 05, 2008

dracula


Mais de meio ano sem novidades.
Talvez vá dar um final a este canal já que acabo por redigir cartas emotivas e longas sobre os disparates que vou fazendo. Este foi o último... e até percebi que precisava de ter aulas de pintura novamente...